quarta-feira, 4 de maio de 2011

<<< Hendrix em Woodstock (Um Memorável Dia em 1969) >>>


HENDRIX @ WOODSTOCK (1969)
O ápice de um ícone cultural de proporções bíblicas


DICK CAVETT
:
So you agree there's some kind of mad beauty in unorthodoxy?
HENDRIX (Começa a grunhir e imitar um monstro): YEAAAAAH!



Quando a aurora despontou naquela manhã de segunda-feira, em 18 de abril de 1969, sobre a fazenda que sediava o Festival de Woodstock, no interior do estado de Nova Yorke, seus raios iluminaram algo de proporções bíblicas, apesar dos milhares de pequenos rituais pagãos e xamanísticos que ali tinham se desenrolado, turbinados por muito ácido lisérgico e cannabis: eram os estertores finais de um festival destinado a se tornar lendário, não só pelas mais de 600 mil pessoas que compareceram, mas também pela sacramentação de certos ícones culturais que prosseguem reverberando em nossos tempos.

Jimi Hendrix, escalado para encerrar os três dias da mega-celebração hippie, após a passagem de uma espantosa caravana de talentos pelo palco de Woodstock (já haviam se apresentado The Who, Janis Joplin, Creedence Clearwater Revival, Grateful Dead, Sly & the Family Stone, Joe Cocker, Crosby Stills Nash & Young, entre outros...), acabou sendo empurrado pelos seguidos e colossais atrasos para o período da manhã, horário em que os pais-de-família engravatados estão se preparando para o trabalho e já se instala o clima de quarta-feira-de-cinzas.

Era uma segunda-feira de manhã, tradicionalmente um horário besta ou odioso, quando nada de interessante está acontecendo, quando levantam-se da cama a contragosto os estudantes, os operários, as grandes massas trabalhadoras... uma "hora do dever" (e não do prazer), quando somos requisitados pela "sociedade" ao trabalho (e não à qualquer ritual, culto ou prazer proibido), e quando os severos ponteiros do relógio fecham a cara e, sem alegria, decretam o "Tu Deves!", dragão que tanto horroriza qualquer nietzchiano... Segunda pela manhã não parece ser, segundo a ortodoxia reinante, uma hora muito propícia nem pro rock'n'roll, nem para celebração do amor, da liberdade e dos poderes redentores da música. Mas quem disse que Hendrix dá a mínima para as ortodoxias? E não há muito mais beleza em, ao invés de seguir em linha indiana, criar o novo ao destoar das regras e rasgar as tradicionais cartilhas?

 Jimi Hendrix, sem dar a mínima para o relógio, como quem diz "eu vivo é na eternidade do presente!",  tomou conta daquele palco em Woodstock com a delicadeza de um furacão. Subiu depois de consumir no backstage o que a Wikipedia descreve com modéstia como uma "dose potente de LSD" e convocou um culto hippie que jamais seria esquecido. Para provar que toda hora é uma boa hora para celebrar dionisiacamente a vida e suas maravilhas.

As pessoas que estavam ali para ver Hendrix eram os heróicos remanescentes de uma maratona/epopéia. Estavam ali, sujos de lama e chapados, a maioria com os ossos moídos pelo cansaço e os ouvidos judiados por decibéis em excesso, numa segunda-feira de manhã, aguardando que Jimi chegasse junto com the first rays of the new rising sun. Quadro curioso! Pois para qualquer um que siga a cartilha do capitalismo industrial consumista, que nos quer autômatos bem-regrados sacrificando-nos ao deus "produtividade" e consumindo supérfluos nas horas-de-lazer, a segunda-feira de manhã jamais poderia ser ocupada com algo do tipo: um ritual hedonista, quase uma orgia dionisíaca, em que o xamã Jimi e seu pilhado chá de música enfeitiçavam a platéia, até que todos, capturados pela beleza irracional e esplendorosa daqueles momentos, entregassem seus escudos e consagrassem seus sentidos e suas consciências àquele espetáculo enigmático e inédito como se observassem a explosão de uma supernova....

O que ocorreu aquele dia foi um sacrilégio pagão de deixar assombrado qualquer cristão carola. A guitarra  ganha nas mãos de Hendrix o status de um objeto de um ritual xamânico, instrumento do transe místico... Hendrix pira em público sem o mínimo pudor. "He didn't mind lookin' freaky, like I didn't mind.", comenta Little Richard (ele mesmo, de "Long Tall Sally" e "Tutti Frutti"), o pastor do rock and roll que prenunciou muito da performance incendiária de Jimi.

A beleza e intensidade da experiência que Hendrix criou ali, para o testemunho dos presentes e dos pósteros, é um eloquente tratado sobre os benefícios da desmesura, do descontrole, da catarse ego-sacrificante... Jorram pétalas elétricas da guitarra desse menino-mago, turbinado com psicotrópicos que o deixavam "pra lá de Bagdá", em enigmáticos contatos com forças cósmicas inacessíveis a nós, reles mortais. Até hoje suspeito que aquela dose de LSD mandou Hendrix mais ou menos... pra região do Haiti.

"I'm a voodoo child, Lord knows... I'm a voodoo child!" - berra ao microfone, e quem testemunha aquilo na hora suspeita que aquele negão, pra ter adquirido um talento tão descomunal, deve ter feito macumba, magia negra ou pacto com o tinhoso.

Diante daquela confissão do "filho do Vodu", alguns podem ter se assustado como se estivessem diante do anti-cristo, mas o feitiço se espalha... E não tarda e as pessoas já estão remexendo-se e dançando como se estivessem de fato num voodoo no Haiti, como que possuídas pelo "demônio" daquela música enfeitiçante.

"Love & Understanding & SOUND!" - diz Jimi Hendrix para a platéia, como se enunciasse, sintético e direto-ao-ponto, sua nova tábua de valores. E aquilo que hoje conhecemos por Movimento Hippie acolhia com pleno abraço este "credo", que nada tinha de fundamentalista e dogmático. Hendrix em Woodstock é uma aula magna sobre o movimento hippie e que nos conta que, entre outras coisas, que nenhum hippie gosta de carregar cruz: prefere dançar livre do peso destas bagagens impostas e malditas.


O hippie chuta o cristianismo pra escanteio enquanto baila. Expulsa a tirania do pecado e da penitência e instaura (ainda que numa "zona autônoma temporária", para usar o conceito de Hakim Bey), uma era de mais calor, colorido e alegria. Nenhum sinal de culto ao sofrimento na atitude de Hendrix e banda (Billy Cox, Mitch Mitchell e o resto da trupe): "happiness, happiness, happiness!", repete Jimi ao microfone, como um mantra evocador de good vibes. Hendrix faz ali o papel de construtor de tapetes voadores que nos levariam a visitar inimagináveis wonderlands.

Tanta excitação fez com que aquele alvorecer de dia mais se parecesse com o alvorecer de uma nova era. Quando um Lennon tomado pela amargura e pelo desencanto cantar, anos depois, "the dream is over", talvez tenha em mente o sonho que parecia tão tangível e palpável enquanto Hendrix esteve no palco de Woodstock. Pois ali não era difícil que muitos embarcassem nos tapetes voadores da utopia, surfando nas ondas levantadas por Hendrix: ali estava ainda intacto o "utopismo" hippie, mesclado com a indignação e a revolta contra a ilegítima e perversa sangreira do Vietnã (que, como bem sabiam muitos dos jovens americanos "antenados" com a contracultura, era muito mais um massacre imperialista injustificável do que qualquer tipo de conflito "legítimo").

Hendrix tocava com o combustível para o entusiasmo que eram o engajamento do movimento anti-guerra, a força do Black Panthers e das feministas, do Weather Underground e do legado beatnik, da mensagem de Bob Dylan e da força vulcânica  do rock britânico (na época, Beatles, Rolling Stones, The Who ainda estavam na ativa, todas no auge)...

Resta destacar nesta matéria tateante e cheia de devaneios (que procura explicar o inefável e pôr em palavras o indivízel...) um dos detalhes daquele show que mais "mitológico" se tornou: a "releitura" hendrixiana do hino nacional americano. Aquela ruidosa e irreverente descontrução da “Star Spangled Banner”, tocada de maneira (para usar um adjetivo light) “pouco ortodoxa”, repleta de dissonâncias e microfonias, retrata um artista cheio de garra instintiva soltando ruídos de desdém iconoclasta diante da era do tonalismo, da harmonia obrigatória, do respeito às tradições venerandas dos pastores e políticos dos povos... 

Se isso simboliza tão bem Jimi Hendrix e sua era, talvez seja porque aquele som é discordante e dissonante em relação ao discurso político oficial, mas ao mesmo tempo intimamente conectado com o sentimento de rebelião e ceticismo contra o governo federal americano daqueles tempos sangrentos, em que vietcongues e mariners morriam como moscas... Aquilo é Hendrix esfregando na cara do poder: "agora vamos fazer do nosso jeito, caros Senhores da Guerra, já que vocês têm feito um trabalho tão mau-feito". O espírito dylanesco do "the times they are a-changin'" pulsava ali, naquela linda insubmissão e redefinição dos "limites", naquele estupro esplêndido da fronteira que separa a veneração da re-criação... Quando Dick Cavett pergunta a Hendrix sobre a canção, Jimi responde, com auto-segurança, como que apaixonado pela própria criação e orgulhoso de seu rebento: “eu não considero que aquilo foi heterodoxo; achei que foi lindo”.

Símbolo de uma geração que encontrava beleza na discórdia, que opunha flores a rifles, que unia forças contra os massacres e injustiças cometidas pelos caretas e reaças na Casa Branca e no Exército, e que, melhor que tudo, tinha todo um estilo-de-vida alternativo para sugerir à civilização ocidental, que depois de duas Guerras Mundiais parecia continuar sua insana jornada rumo ao abismo e aos cogumelos atômicos. Hendrix foi a encarnação desta junção entre a dissonância crítica e o entusiasmo utópico e, por isso, símbolo supremo da Era Woodstock.

2 comentários:

Annalog Band disse...

Demais este post! mto inspirador! Valeu!

Eduardo Carli de Moraes disse...

Valeu!!!! Voltem sempre e inspirem-se sempre com as vibes hendrixianas!!!