segunda-feira, 10 de março de 2008

:: Steely Dan ::



:: STEELY DAN - "Pretzel Logic" (1974)

Com uma seleta legião de fanáticos seguidores de seu aclamado "Pop Perfeito", o Steely Dan é uma ilha de bom gosto no mundo da música de consumo. Com um molho especial, calcado no melhor do Jazz, os melhores músicos de estúdio do planeta e composições do nível de um Cole Porter, produziu uma dúzia de discos antológicos que deram a diretriz de quase tudo feito no gênero a partir dos anos 70. (...) Com o nome tirado do romance "Beat Naked Lunch" de William Burroughs, o Steely Dan na verdade é o projeto de uma dupla de geniais compositores nova-iorquinos chamados Donald Fagen (1948) e Walter Becker (1950) que se conhecem desde os tempos de colégio. Eram jovens suburbanos típicos que passavam o dia estudando e as noites viajando com muito Charlie Parker, Duke Ellington e John Coltrane enquanto se entupiam da melhor literatura beat underground como Kerouac, Corso, Ginsberg etc... Depois de inventarem uma multidão de bandas com nomes estranhos e tentarem a cena teatral da Broadway, se mudam para o Brooklin e conhecem o produtor Gary Katz, que propôs a formação de uma banda pop para dar vazão ao excesso de sofisticação da música da dupla e ganhar um qualquer com isso. - WHIPLASH!

* * * * *

Antes de formarem o duo Steely Dan, Donald Fagen e Walter Becker eram compositores para a ABC, tendo escrito êxitos para artistas como Barbara Streisand. Depois de explorrem a fundo o seu som em Can't Buy a Thrill, e de o elevarem a outro nível em Countdown To Ecstasy, o par regressou às coordenadas Tin Pan Alley. Seguindo a fórmula dourada do pop - as canções de 3 minutos - o duo decidiu jogar ironicamente em termos de estilo e gênero. O resultado foi Pretzel Logic, um álbum que se converteu em disco de platina.

A primeira canção define o tom do álbum. "Rikki Don't Lose That Number" é uma comovente história de amor não correspondido. O tema oscila entre um samba ligeiro e uma balada para piano, até o sensacional solo de guitarra de Jeff 'Skunk' baxter disparar numa linha de country folk californiano exatamente no meio da canção. Seguindo o mesmo rastro, "Any Major Dude Will Tell You" é iluminado por raios de sol de Orange Country.

Mas o grupo não se tinha perdido a sua característica mordaz. "Monkey in Your Soul", quase um cruzamento entre Noel Coward e Stax, é uma maliciosa carta escrita com tinta venenosa, enquanto a petulância ferida da inveja é tratada com um humor negro em "Through With Buzz".

O disco também se destaca pelos seus engenhosos pastiches. O caráter desfiante dos solitários adquire um dinamismo digno de um filme policial em "Night By Night", enquanto o homicídio de "With a Gun" bem poderia fazer parte do argumento de um filme dos irmãos Coen. A festiva "East St. Louis Toodle-Oo" merece ser destacada pela steel guitar tocada ao gênero ragtime. - 1.001 DISCOS PARA OUVIR ANTES DE MORRER

* * * * * *

DOWNLOAD (mp3 de 192kps - 11 músicas - 46MB):
http://www.mediafire.com/?gjz5oc9glne

2 comentários:

Wilson Hebert disse...

Como vai Eduardo?

Cara, durante essa hora mais ou menos (de 21:40 à 22:42) acabou de acontecer uma pequena história envolvendo a mim, ao seu blog e a banda Creedence Clearwater Revival.

Vou resumir os fatos pré-existentes para que você entenda:

Gosto muito de algumas músicas da banda, mas não a conhecia bem e como blogueiro que sou, resolvi pesquisar um pouco mais sobre Ela.

É aí que o "Depredando o Orelhão" entra na história. coloquei no google, aquele site que monopoliza as pesquisas na internet (hehe!), o nome da banda, e o primeiro site que apareceu foi do wikipedia, e logo em seguida apareceu seu blog. Fiquei fascinado pelos seus textos sobre músicas.

Entre várias paixões que tenho na vida, duas dela são o futebol e a música. Quando entrei nessa de blogueiro, tinha [tenho] como projeto, um blog que fale, sobretudo de futebol e de música, mas como fui conhecendo nesse mundo surpreendente da internet, blogs especializados em futebol numa proporção incrivelmente maior do que qualquer outro assunto, acabei sendo influenciado a escrever mais sobre futebol, mas confesso que sempre que posso escrevo sobre música.

Pois bem, o fato de você escrever sobre alguns estilos que gosto, além de jazz, folk rock, você tem como um dos ídolos (pelo que pude ver dando aqueeela vasculhada) o Cris Cornell. Não sou superfã dele, mas gosto bastante do estilo grunge. Por exemplo, sou superfã de Nirvana e fã de Pearl Jam e curto bastante Soundgarden, Stone, The vines e por aí vai. Apesar de ser um estilo muito mais evidente no modo de se vestir (coisa que não sou adepto mas respeito), acho um tipo de música bem agrádevel.

Como não deu para ler tudo o que queria aqui no seu blog, além de ficar hipercurioso em conhecer a rapasiada que vocÊ tem link, colocarei um link do seu blog no meu. Caso você queira visitá-lo, é:

http://futebolmusicaetc.blogspot.com

Tenho quase certeza que seu blog vai me influenciar a escrever mais sobre musica.

Ah, aproveitei e já mandei ver uns tres downloads. Valeu hein!!!

Abraços.......

Eduardo Carli de Moraes disse...

Hey Wilson Hebert! Cara, valeu pelo comentário, que já ganhou o prêmio de mais longo e simpático que o Depredando o Orelhão já recebeu em toda sua breve história... :) O curioso é que eu tb não tinha os 2 discos do Creedence que foram postados aqui pelo Marcos, o contribuidor eventual do blog, e tb curti conhecer esse comecinho de carreira dos caras...

De futebol não posso dizer que gosto muito, até porque, como corinthiano, vivi ano passado aquela triste sina de ver meu timinho fazer todas aquelas lambanças... hoje em dia quase abandonei por completo o interesse tanto pelos babacas do Parque São jorge qto pelo futebol em geral. Mas dei uma olhada no blog e achei que com ctza ele é bem bacana pra todos q curtem a peleja!

E tomara que esse blog aqui te inspire a, além de mandar ver num monte de downloads, escrever mais sobre música tb... assim vc contará com visitas minhas mais frequentes ao teu canto virtual! :)

Valeu e volte sempre!