terça-feira, 20 de janeiro de 2009

:: rolê de metrô - volume I ::



:: da série COLETAS DEPREDANDO ::

Já faz um tempinho que eu alimento a ambição de bolar uma "Rádio Depredando", expandindo o nosso Império Criminoso para domínios cada vez mais numerosos. Talvez seja minha saudade de trampar como DJ e a vontade de continuar apresentando ao Povo alguns sons que eu curto, reunidos e concentrados. Como eu num manjo como se faz uma rádio virtual (alguém dá dicas?), nem tenho os talentos necessários de radialista (a Voz Possante e aquela Alegria Saltitante de Monitor de Gincana que faz a glória da criatura nas FMs pops!), decidi iniciar um novo projeto, mais simples: coletas depredísticas exclusivas. O que os cibernéticos chiques chamam, se não me engano, de um podcast. Depredando, pois, além de indicar e disponibilizar discos trimmassa para baixar, também vai começar a fazer "programinhas de rádio baixáveis" apresentando canções firmezura que curtimos e queremos apresentar a nossos seguidores na blogosfera. Isso foi batizado, por hora, de Rolê de Metrô. A idéia é possibilitar ao ouvinte uma travessia pelo que de melhor rola nos subsolos e porões musicais, especialmente no Brasil, na ingênua mas ardente crença de que a salvação está no underground e de que as bandas do mainstream, em sua maioria, merecem pouco além de pedrada. É um verdadeiro trabalho de arqueologia, em que cavamos em busca das pérolas em meio aos porcos, e depois emergimos trazendo-as num pequeno baú de tesouros... Ou, pelo menos falando assim, fico me sentindo Importante.

Pra começar, compartilho com vocês algumas das cancionetas brazucas de bandas desta década que mais curto e admiro. Em uma hora de música, aí vão alguns dos melhores momentos dos novos arquitetos da música brasileira (e cantada em português!): do mastodôntico som instrumental do Pata de Elefante à feijoada búlgara do Móveis Coloniais de Acaju, do groove malemolente do Curumin aos sagazes protestos sociais funkeados de B Negão e Dona Zica, do balanço suave do Fino Coletivo ao bailão sacana da Orquestra Imperial, passando pelo esplêndido novo-folk do Transmissor e do Momo, pela doçura do trip-hop feminil do Bluebell e pelo indefinível magnetismo do fodaço Los Porongas, certamente a melhor banda da história do ACRE (!!!). Finalizamos com este verdadeiro Jazz From Hell para a Era da Eletrônica que é o Guizado, autor de um dos álbuns nacionais mais espetaculares de 2008: Punx. Bom rolê!

01. pata de elefante (RS), "um olho no fósforo, outro na fagulha"
02. móveis coloniais de acaju (DF), "perca peso"
03. curumin (SP), "guerreiro"
04. b negão e os seletores de frequência (RJ), "nova visão"
05.
dona zica (RJ), "protesto pessoal"
06. orquestra imperial (RJ), "ereção"
07. fino coletivo (RJ), "uma raiz, uma flor"
08. los porongas (AC), "nada além"
09.
transmissor (MG), "vem a chuva"
10.
bluebell (SP), "bolas de sabão"
11.
momo (RJ), "irmãos"
12.
lestics (SP), "alguma coisa me diz"
13.
guizado (SP), "sagitariu's dream"

DOWNLOAD: http://www.mediafire.com/?5gjthyqmtww

(Quem quiser dar sugestões de outras bandas nacionais bacanas, que vocês acham que deveriam entrar nos próximos volumes, podem dar os pitacos e largar myspaces nos comments abaixo. E, para o pessoal que tem banda: quem quiser enviar MATERIAL para a Equipe Depredando, para ver se conseguem entrar nas próximas coletas, manda bala.)

3 comentários:

john disse...

achei tudo muito legal, exceto pelo uso do conceito 'underground', que, pelo menos pra mim, não faz mais sentido. hoje não existe mais 'underground', 'maldito', 'alternativo'...
está instaurado o chaos!

john

Ana Alice disse...

Grupo de Extermínio de Aberrações do Violins! Toca, tio!
PS - sensacional idéia!

Fran disse...

Adorei a seleçao!